Aguarde...
O nome turrion percence a uma linhagem de cavaleiros...O nome turrion percence a uma linhagem de cavaleiros...

Córdoba é carinhosamente conhecida como a “cidade das três culturas”, por que, historicamente, por lá já passaram cristãos, judeus e muçulmanos. Até hoje claramente se vê as três culturas por meio de suas diferentes cores, formatos e características marcantes pelas ruas da cidade.

  Em uma época de tensões entre as três grandes religiões monoteístas do ocidente e do médio oriente, Córdoba permitiu que a relação entre esses povos fosse harmoniosa, criando um modelo único de convivência, expresso em uma riqueza cultural e arquitetônica sem paralelo. Em tempos mais remotos, a cidade foi usada também como uma espécie de cidade de veraneio por romanos ilustres, sendo berço de grandes personalidades como o filósofo estóico Sêneca.

Foi durante a ocupação moura, contudo, que Córdoba atingiu o seu apogeu. O esplendor da cultura islâmica é representado pela Grande Mesquita, a maior do gênero em solo europeu. Embora tendo sido transformado em catedral, o edifício ainda conserva 856 da 1.023 colunas originais, erguidas ao longo de dois séculos. Sua importância para a cultura árabe é tão grande que o templo recebe milhares de visitantes mulçulmanos todos os anos.

Tratada pelos monarcas mouros como exemplo de tolerância religiosa, Córdoba permitiu durante séculos a maciça presença de cristãos dentro das defesas da cidade, que gradativamente forma adquirindo os hábitos dos ocupadores, tornando-se os chamados moçárabes, com uma riquíssima contribuição no mundo das artes.

Mais bem aceitos pelos novos senhores que em relação aos antigos cristãos, os judeus também encontraram sua época de ouro na Espanha durante a ocupação moura. O bairro da Juderia ainda guarda uma das três únicas sinagogas existentes na Espanha. Durante a era mulçulmana, os judeus ocuparam papel relevante no governo e nas artes. Um dos maiores pensadores da religião judaica, o filósofo Maimônides, é também natural de Córdoba.